domingo, 28 de junho de 2009

Confissões de um marido corno e casto.

Confissões de um marido corno e casto.

Sou corno desde quando conheci Sandra, minha esposa. Eu a namorava e ela saia com um outro homem. Eu sabia da situação, mas não tomava uma atitude pois gostava muito dela e ela me disse que ou eu aceitava ela ir para cama com outro homem, ou terminávamos na hora. Como gostava muito dela, aceitei a situação. Nos casamos e ela passou a ir para a cama do chefe dela - também era uma situação que eu sabia. Ela até me contava detalhes como o chefe dela comia ela bem e ela gozava bastante. Fui me acostumando a ser corno e depois de um certo tempo passei a curtir a situação. passei a gostar de saber que minha esposa estava na cama com outro homem, e isso me excitava bastante.

Independente dela ter uma vida sexual bem ativa com seus amantes nossa vida sexual era muito boa também. Eu pelo menos achava, mas Sandra sempre fazia questão de dizer que ela se sentia muito mais mulher na cama com os amantes do que comigo. Ela brincava de " dar nota" e nunca passei de 3 ou 4 e seus homens sempre tiravam 10.

Mais recentemente, Sandra arranjou um namorado que mora em SP e vem ao Rio umas duas vezes ao mês. Com esse namorado, passei a participar do sexo de minha esposa, já que com os outros homens ela saia para encontrá-los e eu ficava em casa, as vezes, com tanto tesão que pegava uma calcinha usada dela e ficava cheirando, sentindo aquela cheiro delicioso de buceta, aquele odor de fêmea e me masturbava.

Como este namorado dela, ao chegar no Rio sempre passa o fim de semana lá em casa, assisto o sexo de Sandra e seu homem. Tanto ela quanto ele só andam sem roupas dentro de casa, o que me excita enormemente ver minha esposa nua, aos beijos e amassos com um homem também nu, dentro da minha casa. Quando eles vão para a cama, Sandra deixa eu ficar olhando e vejo como ele penetra nela e como ela goza e geme gostoso de tesão.

Só que, ele passou a implicar comigo, por que fico me masturbando enquanto ele come minha esposa, e por umas 2 vezes, ao gozar, melei a perna dele e a outra vez esporrei nas costas dele. Ele ficou furioso, disse para minha esposa que ter um corno olhando ele comer a mulher dele já e chato, mais ainda ter que vê-lo tocando punheta e melando tudo era demais. Desse dia em diante não fui mais permitido olhar ele comer minha esposa.

Pedi a Sandra que reconsiderasse e Sandra teve a idéia de me colorar um cinto de castidade. Depois de alguma pesquisa na Internet , foi escolhido o modelo CC Belga.. Demorou uns 2 meses para chegar ( foi importado dos USA ) e precisou de uns ajustes, Tive que improvisar e mudar a parte posterior pois era do tipo G string e achei desconfortável e não é pratico principalmente quando tinha que ir ao banheiro. Mudei para um sistema de correntes em V , mas depois de tudo ajustado, uma vez colocado, não posso ter ereção e nem tirá-lo. Somente Sandra tem a chave. Tive também que me adaptar, mas não foi muito difícil. Ele é pratico e com um pouco de tempo, a gente se costuma e não incomoda. Fui obrigado a depilar todos meus pentelhos e aprender a urinar sentado, já que meu pau fica " preso" sem condições nenhuma de eu poder segura-lo- Com isso , dei adeus também as minhas masturbações.

Sandra estipulou para mim um período de 2 semanas seguidas de cinto de castidade. Ou seja, somente fico "em liberdade" de 15 em 15 dias. No dia 15 do mês, Sandra abre o cinto de castidade e sou autorizado a me masturbar. Se minha esposa estiver de bom humor, ela fica nua, abre as pernas e deixe eu olhar e cheirar sua buceta (lamber não é permitido) enquanto me masturbo. Passo todo o dia sem cinto e toco umas 3 punhetas , aproveitando minha liberdade. Ao final do dia, ela me " tranca" de novo. No fim do mês quando ela me tira o cinto de novo, aí sou "presenteado" (caso tenha tido um bom comportamento durante o período de castidade) a ter sexo com ela. Em outras palavras, agora só tenho 12 relações sexuais ao ano. E olhe lá !!! As vezes, por alguma coisa que eu faço e Sandra não gosta, ela cancela minha punheta ou minha relação sexual.

Mês passado por exemplo, por uma briga que ela teve comigo, ela cancelou os dois - fiquei sem punheta e sem sexo, Um mês inteiro de cinto de castidade. Foi terrível. Já aconteceu antes e com isso minha "estatística" de 12 vezes ao ano com sexo não se mantém, também minha masturbação mensal já foi cancelada algumas vezes. Por isso, procuro ser o mais obediente possível a minha esposa. Obedeço a ela em tudo que ela ordena eu fazer, fico totalmente servil a ela e seu namorado. Já uso cinto de castidade há quase um ano e apesar de tudo estou gostando.

E excitante ver minha esposa nua na cama com outro homem e não poder fazer nada , nem direito a uma ereção. Para um corno como eu é muito gratificante. Sinto-me mais corno e mais submisso a minha esposa Nosso relacionamento esta ótimo, passamos semanas sem uma única discussão e faço todas as vontades de Sandra, a obedeço em tudo que ela manda eu fazer. Antes de cinto de castidade, tínhamos também uma vida normal mas havia sempre aquelas brigas e discussões, normais entre um casal, as vezes por razoes fúteis. Agora, que sou tolamente submisso a ela , o uso do cinto de castidade me fez mais apaixonado por Sandra – estamos vivendo muito melhor que antes.

Não me importo que ela tenha um amante, afinal ela já tinha antes e sempre disse que eles comiam ela melhor do que eu. Tenho que humildemente aceitar isso. Se ela agora tem um homem que a satisfaz na cama e já que não precisa do marido para sexo, nada mais natural que me colocar num cinto de castidade. Isso dá um ponto final nas minhas constantes masturbações que eu tinha enquanto ela transava com seu amante.

Afinal, não preciso satisfazê-la sexualmente. Minha função como marido corno, é ser totalmente subserviente a ela, obedecer suas ordens e servi-la e ao seu namorado.

Agora posso ficar olhando ela na cama com o seu homem. Posso vê-la sendo penetrada e gozando, posso escutar ela gemendo de tesão quando ele faz sexo oral nela ou quando ele come o cu dela. Acho lindo vê-la nua na cama de 4 , dando o cu para ele.

Depois de terem se deliciado com o sexo, estão cansados e minha obrigação é preparar o banho deles. Nossa banheira é bem grande e os dois entram juntos. Começo então a lavá-los e ensaboá-los. Adoro esta parte pois posso passar a mão pelo corpo de Sandra, seus seios, sua bunda, passar minha mão na sua buceta (que um dia foi só minha) e limpá-la do esperma dele. Minha mão fica sempre toda melada de esperma , quando faço sua " higiene intima"

Tenho também que lavar o namorado dela. Pego com cuidado seu membro e lavo ele todo, puxo a pele da glande para trás , expondo a cabeça do pau e suavemente passo minhas mãos ensaboadas e depois enxáguo tudo deixando o pau dele todo limpo.

Lavo também o saco , sinto sua " virilidade" suas " bolas" aquele "exemplo de macho " nas minhas mãos , e fico feliz de minha esposa de ter um homem viril e potente na cama com ela.... enfim deixo ele limpo e perfumado para comer minha esposa de novo.

Não me importo de ter que me submeter a isso. Afinal minha obrigação como marido corno não é servir minha esposa ? .......pois faço isso e gosto muito.

Agradeço minha esposa pela genial idéia de me colocar num cinto de castidade - ela inclusive já me avisou que não tira mais o cinto de mim. Enquanto estivermos juntos terei que usar este cinto de castidade. Estou achando ótimo.

Uma punheta e um relação sexual por mês (se eu for bem obediente e servil) esta mais do que bom para mim. Se minha esposa acha isso , concordo com ela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário